Empresas privadas apresentam soluções desenvolvidas no NOSi Akademia, no âmbito do programa JumpStart

Apostar fortemente em projetos de investigação e desenvolvimento é um imperativo para que as empresas nacionais do sector das TIC sejam mais competitivos e apresentem soluções mais inovadoras. Ciente desta necessidade, o NOSi, através da iniciativa JumpStart do NOSiAkademia, tem disponibilizado, gratuitamente, recursos técnicos e humanos para que empresas nacionais possam desenvolver projetos de investigação, estimulando o empreendedorismo e a inovação de negócios de base tecnológica.

Mais imagens do evento: https://www.facebook.com/nosicv/

Em seis meses, duas empresas já apresentam resultados. Após a conclusão da primeira edição do JumpStart, que teve inicio a 13 de maio de 2019, foram apresentados nesta terça-feira, 19 de novembro, pelas 9h20, no auditório da Biblioteca Nacional, cidade da Praia, duas soluções desenvolvidas no âmbito desta iniciativa – ““Safe and Smart Táxi”” e “RiftOne”, afetos as empresas Smart Solutions e Green Studio, respetivamente.

O evento foi presidido por S. Ex.ª o Secretario de Estado para a Inovação e Formação Profissional, Dr. Pedro Lopes. Contou ainda com presenças de diversas empresas, dos membros do Conselho de Administração e colaboradores do NOSi, e ainda estagiários do NOSi Akademia.

Neste momento 6 (seis) empresas nacionais estão a desenvolver seus projetos de investigação e desenvolvimento no JumpStart do NOSiAkademia, e 19 estagiários estão afetos exclusivamente a esses projetos.

CONHEÇA AS SOLUÇÕES DESENVOLVIDAS

“Safe and Smart Táxi”

Segundo o mentor Erickson Monteiro, é uma plataforma que contempla três aplicativos, o “gestaxi”, para os proprietários dos táxis, o “digitaxi”, para garantir a segurança dos taxistas, e o “Nha Taxi”, um aplicativo para as pessoas accionar um táxi a partir das suas casas.

“Desenvolvemos uma plataforma focada no problema que temos em Cabo Verde. A nossa ideia é criar uma plataforma onde os proprietários de táxi podem fazer a gestão de todas as suas frotas e de todos os seus motoristas de forma a conseguirem melhorar os seus negócios e ter mais retorno”, disse.

Através desta plataforma, assegurou, os proprietários poderão ver o histórico de performance de um condutor e a performance de um veículo, isto é, saber onde estão os seus táxis, se estão livres ou ocupados, quantos clientes tem por dia, a quilometragem, entre outros.

Ainda, sublinhou, esta plataforma dá aos taxistas ferramentas para os auxiliar em caso de algum problema.

Ou seja, através do programa “digitaxi”, que é um taxímetro digital integrado no veículo, em caso de perigo os condutores podem accionar um dos sensores S.O.S e automaticamente este sensor dispara um alerta para o Centro de Comando da Polícia.

Para além de accionar um alerta, segundo a mesma fonte, este fornece informação sobre a localização do condutor e ainda disponibiliza imagens do interior do veículo para a central.

Erickson Monteiro disse que depois desta fase de apresentação vão entrar em contacto com os proprietários de táxi para apresentar este serviço e, caso estejam interessados, vão ministrar algumas acções de formação para os taxistas e para os proprietários para saberem como usar estes aplicativos.

“riftOne”

Outro projecto desenvolvido  no Jumpstar foi a “riftOne” pela empresa de comunicação e marketing, Green Studio.

Segundo o mentor do projecto, Saulo Montrond, dado as necessidades do mercado e acesso aos conteúdos, e principalmente tendo em conta os desafios da educação, desenvolveram este projecto que é um dispositivo tecnológico que integra vários componentes.

“É um dispositivo que vai permitir as pessoas, as famílias, aos alunos terem acesso a um computador, surfar na Internet, produzir conteúdos com uma grande vantagem que é o custo do dispositivo que é somente de cinco mil escudos. As crianças podem utilizar este dispositivo para criar outros projectos tecnológicos como robôs e drone”, afirmou.

Este dispositivo, avançou, permite ainda aos criadores de conteúdo em Cabo Verde, em África e em qualquer parte do mundo, criarem um canal de televisão grátis e em dois minutos, e depois poderão vender os seus conteúdos.

Este dispositivo, segundo Saulo Montrond, é “All in one” com custo baixo, eficiente a nível energético, e integra Wi-FI, bluetooh e modo 4G.

O mesmo vai estar no mercado dentro de cinco meses e será comercializado a partir de cinco mil escudos.

O jovem Erickosn Vaz, que participou nesta Academia e que teve oportunidade de desenvolver o dispositivo “riftOne”, disse à Inforpress que foi uma experiência “enriquecedora”.

“Estive durante seis meses a conviver com profissionais na área de informática, onde adquiri e aperfeiçoei os meus conhecimentos em desenvolvimento e de resto as aplicações que desenvolvemos aqui acreditamos que será de grande valia para Cabo Verde e para mundo”, sublinhou.